Cuidados com as crianças na Copa do Mundo

Exposição ao barulho dos fogos de artifícios pode prejudicar a audição; especialista alerta que os sons altos podem atingir quase o dobro do nível tolerável

Na hora do gol do Brasil, a torcida entra em delírio! Grita, comemora, solta fogos de artifícios, rojões, assopra as cornetas e apitos, afinal, tudo é válido para mostrar a emoção.

Entretanto, uma numerosa parcela de brasileirinhos, chora e se assusta com o barulho. Este é o caso do pequeno Lucca, com apenas um mês de vida. O bebê se assusta com a comemoração e a sua mamãe, de primeira viagem, Decyana Aparecida de Souza Laurindo, entre em pânico. “Fico desesperada com o choro dele. Coloco-o no quarto fechado, projeto as orelhinhas com um pano grosso e, mesmo assim, ele se assusta”, conta.

Esta preocupação recorrente das mães é válida, pois, segundo a fonoaudióloga responsável pela clínica Pró-Ouvir Siemens Audiologia, de Sorocaba (SP), Dra. Vanessa Gardini, “O canal auditivo das crianças é menor que o dos adultos e, com isto, a pressão que o som exerce no ouvido é maior”.

O estouro dos rojões pode atingir ruídos de até 140 decibéis, sendo que o máximo tolerável pelo ouvido humano são 85dB. A intensidade é tão forte, que ultrapassa a potência do som da turbina de um avião, no momento da decolagem. “Nosso ouvido não está preparado para suportar sons tão altos, o que é ainda mais nocivo nas crianças”, adverte Dr. Vanessa.

Essa exposição aos sons altos, explica a fonoaudióloga, poder causar perdas irreversíveis de audição e zumbido. “Os adultos, ao escutarem sons tão altos, automaticamente, protegem o ouvido, mas as crianças não têm esta percepção. Cabe aos pais terem bom senso e proteger os pequenos”, frisa.

O problema se torna ainda mais alarmante, quando os pais levam as crianças para os estádios de futebol, onde o barulho é ainda mais intenso. “Não é recomendado levar os bebês em lugares tão barulhentos, como estádios, casa de shows e desfiles, por exemplo”, aconselha a fonoaudióloga.

A perda auditiva acontece acumulativamente e, quanto mais cedo somos expostos a sons tão altos, antes seremos acometidos por perdas auditivas.

Para proteger o ouvido das crianças durante os jogos, a especialista recomendada o uso de tampões ou isolar o bebê em ambientes protegidos do som, como o quarto.

Fonte: Q Notícia.

#notícias #torcida #copadomundo #crianças #barulho #fogosdeartíficio #audição

+ NOTÍCIAS