Dicas sobre segurança digital para pais, professores e crianças

Orientações para lidar com a tecnologia de forma mais segura e ética nas escolas

 

A volta às aulas se aproxima e com ela os temores de muitos pais e professores em relação ao uso de aparelhos móveis como smartphones e tablets por crianças e jovens, seja no ambiente escolar ou fora dele. Pesquisas recentes da AVG Technologies, mostram que 95% dos pais gostariam que a educação digital fosse disciplina obrigatória nas escolas, mas 78% dos professores brasileiros não se sentem preparados para oferecer esse tipo de orientação.

 

O uso de dispositivos móveis, jogos on-line e outras tecnologias é muito comum para as novas gerações, mas muitos pais não sabem como lidar com a educação dos filhos no que se refere a esse outro universo. As pesquisas mostram ainda que grande parte dos pais acredita que aos dez anos seus filhos já saberão mais sobre tecnologia do que eles próprios.

 

Qual seria então o caminho para educá-los para um uso seguro e consciente? "O pai que orienta o filho a não falar com estranhos na rua muitas vezes não percebe que a Internet também é a rua. A Internet é o mundo e nossos filhos precisam saber quais comportamentos são seguros e quais não são ao usar a rede. Sempre pensamos nos nossos filhos como a vitima, mas ele pode vir a ser também aquele que pratica o ciberbullying, por exemplo, por isso o melhor ainda é educar e orientar", explica Mariano Sumrell, diretor de marketing da AVG Brasil.

 

Pensando nisso, listamos abaixo algumas orientações para pais e educadores:

 

Pais, todo cuidado é pouco!

1. Pesquise sobre os aparelhos antes de presentear seu filho - É sempre melhor conhecer uma tecnologia antes que as crianças conheçam;

 

2. Configure um perfil restrito ou 'zona de criança', antes de entregá-lo - A maior parte dos aparelhos (celulares, tablets, vídeo games e smartphones) já vem com uma variedade de configurações de controle parental. A criação dessas áreas restritas, que só eles podem acessar (e só você pode alterar) significa que você saberá exatamente o que suas crianças estão fazendo;

 

3. Demonstre interesse pela vida on-line de seus filhos - Você não deixa seu filho fora de casa o dia todo sem saber onde eles estão, com quem estão e o que estão fazendo, então porque não fazer o mesmo tipo de questionamento quando eles estão usando um laptop ou tablet?;

 

4. Converse com o seu filho sobre segurança on-line - Conversar com os seus filhos é essencial. Aponte os prós e contras de possuir um dispositivo e da responsabilidade de possuir um 'brinquedo' tão avançado. Afinal, se você compartilhar abertamente seu conhecimento e percepções eles estarão mais propensos a fazer o mesmo. Certifique-se de que você sabe o que está acontecendo em sua casa e estará sempre um passo à frente na proteção de sua privacidade e de sua família.

 

Escolas e professores: saber orientar é o melhor caminho
Em meio a tantas manchetes sobre ciberbullying e crimes digitais, quase nos esquecemos de que a Internet é um ótimo ambiente para o aprendizado infantil. Uma vez no ambiente escolar, a responsabilidade de oferecer proteção e orientação às crianças é da escola. Desta forma, além de investir em novas tecnologias voltadas para o aprendizado, a área de educação deve focar em:

 

1. Educar os professores: a maior parte dos pais (95%) acredita que a educação para a segurança on-line deveria ser obrigatória nas escolas, mas para isso estas precisam adotar medidas para equipar melhor seus professores, de forma que os alunos tenham uma profunda consciência de segurança on-line e para que as consequências de um mau comportamento on-line ou off-line sejam punidas com o mesmo rigor. Para isso, os professores precisam passar por cursos e treinamentos que orientem sobre segurança digital e que haja uma reciclagem constante para que seus conhecimentos permaneçam no mesmo nível que o das crianças;

 

2. Liberdade de atuação: embora haja um mundo infantil on-line, o qual os adultos têm acesso limitado, é importante que os professores consigam reconhecer os sinais do bully ing on-line no dia a dia da sala de aula, e tenham o apoio e as garantias do alto escalão de gestores da escola para agir com independência quando acharem que algum aluno corre perigo, garantindo o bem-estar das crianças de forma igualitária;

 

3. Forme experts: existem hoje muitos recursos disponíveis para ajudar você e sua escola a compreender o mundo on-line e seus perigos, bem como o que pode ser feito se um aluno se tornar vítima de ciberbullying. Anote alguns sites que podem ajudar:

- Safer Net Brasil (http://www.safernet.org.br/site),

- Help Stop Bullying (em inglês, www.stopbullying.gov),

- ChildNet International (em inglês, www.childnet.com).

Você também encontra ótimas dicas no e-Book Proteja Nossas Crianças e Jovens lançado pela AVG.

 

"As crianças hoje são apresentadas ao mundo pelas redes sociais e, com apenas alguns meses de idade, são muitas vezes "acalmadas" com o uso de dispositivos como tablets e smartphones. Podemos dizer que elas estão, literalmente, aprendendo sobre a vida por uma tela. Mas quanto tempo os pais gastam para pensar seriamente sobre as implicações de criar seus filhos no mundo conectado de hoje? Já há indícios de que alguns comportamentos indesejáveis podem levar ao ciberbullying na infância", explica Sumrell.

 

Fonte: Assessoria de imprensa da AVG.

 

Please reload

Please reload

+ NOTÍCIAS

Criança que passa pouco tempo ao ar livre tem mais chance de desenvolver miopia

1/10
Please reload

Siga
  • Grey Facebook Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Pinterest Icon
RSS Feed

Fale conosco

Whats: 15 99129-4846 | 11 3368-7702

Email: redacao@namochila.com

A revista das escolas particulares de Sorocaba e região
A revista das escolas particulares de Sorocaba e região

Certificado

SELO SOCIAL 2014 / 2015