Mitos e verdades sobre amamentação

Tire todas as dúvidas sobre o aleitamento materno e veja por que ele é mais que um importante ato de amor

 

Por Amanda Araújo

 

Dúvidas sobre o aleitamento são mais comuns que muitas mães pensam! Além de ser um ato de amor e de intimidade com o bebê, o gesto é fundamental para a saúde e desenvolvimento dos pequenos, já que é a partir dele que a criança cresce mais forte e longe de doenças.

 

Segundo um recente estudo divulgado pela Unicef (Fundo nas Nações Unidas para a Infância), o aleitamento materno exclusivo até os seis meses pode evitar mais de 1 milhão de mortes por ano em crianças de até cinco anos de idade. Lembrando que até os dois anos, os bebês devem receber o leite materno e só a mãe saberá o momento ideal para encerrar o processo.

                                                                                            

“O desmame, isto é, a cessação do aleitamento materno, é de decisão exclusiva da mãe, no momento em que ela desejar, portanto, ela não deve ser pressionada para isso. Quando a mãe se sentir pronta, deve fazer o desmame naturalmente, que é a forma mais adequada”, afirma Cristiane Gomes, docente do curso de Fonoaudiologia da Unopar.

 

Tira-dúvidas

A amamentação é essencial para prevenir doenças nas crianças.

Verdade. O aleitamento materno evita inúmeras doenças na criança. Dentre as principais, estão: infecções respiratórias e gastrointestinais; no caso de bebês que permanecem internados, pode prevenir infecções hospitalares; evita alergias; auxilia na saúde da criança e faz com que elas não tenham as mesmas doenças que a mãe, já que recebe todos os anticorpos dela por meio do leite materno; e acaba com diarreias.

 

As mães devem preparar as mamas para a amamentação.

Mito. As mães não devem preparar as mamas e nem esfregar os mamilos com bucha vegetal ou passar casca de banana, como era indicado antigamente. Também não m passar óleo, cremes ou pomadas nos mamilos e nem estimular o bico durante a gestação. Quando há o estímulo, o cérebro pode entender que a criança já está mamando e acelerar o parto, já que manda oxitocina para o útero, provocando contrações.

 

Ao amamentar, é preciso ter cuidados com a alimentação.

Verdade. Segundo Cristiane Gomes, não há restrições, mas todas devem ingerir alimentos saudáveis de forma equilibrada. “Aconselho a evitar bebidas alcoólicas e tabaco, além de cafeína, seja em refrigerantes, chás e café, já que isso pode agitar o bebê”, afirma.

 

O bebê pode ter alergia ao leite da mãe.

Mito. Caso o pequeno apresente reações específicas, é aconselhável consultar um médico para o diagnóstico de possíveis sensibilidades e verificar se há necessidade de a mãe evitaralgum tipo de alimento.

 

Quanto mais o bebê sugar, mais leite é produzido.

Verdade. O hormônio responsável pela produção de leite chama-se Prolactina e é produzido no cérebro, na hipófise. Ele é liberado na corrente sanguínea apenas pela sucção do bebê na mama. Isto quer dizer que se a “pega” está correta e o bebê suga, o hormônio é liberado e a produção de leite ocorre. Se o bebê não sugar, o leite secará. Desse modo, se a mãe deseja aumentar o leite, deve colocar o bebê para sugar com mais frequência. Compressas de água quente também ajudam na produção do leite. Mas atenção, elas não são indicadas quando a produção é baixa, pois isso pode causar o famoso empedramento.

 

O leite do início da mamada é fraco.

Verdade. Nos primeiros minutos da mamada, o leite materno é basicamente água. Em seguida, vem uma segunda fase do leite, que contém eletrólitos, vitaminas hidrossolúveis e sais minerais. Por fim, em sua terceira fase, o leite materno possui gorduras e carboidratos. Por isso é importante que o bebê mame em um peito por vez, para que assim, ele consiga ingerir o leite mais calórico, que vem no final da mamada. Profissionais indicam que, após 3 horas, ou quando a criança pedir, a mãe pode oferecer a outra mama.

 

Amamentar dói muito.

Depende. A dor durante a amamentação é decorrente de traumas mamilares, principalmente fissuras e rachaduras. Segundo Achilles Cruz, especialista em ginecologia e obstetrícia, isso pode ser evitado quando a mãe fica na posição adequada de aleitamento e o bebê “pega” corretamente a mama.

 

Quem amamenta não pode usar métodos contraceptivos.

Mito. De acordo com Achilles Cruz, há diversos métodos seguros e eficazes que podem ser utilizados pelas mulheres durante a amamentação. “Dentre as pílulas, as que não contêm estrógeno em sua composição podem ser utilizadas”, diz. Mas o especialista alerta que todos estes métodos só devem ser iniciados após seis semanas do parto.

 

O bebê que mama no peito não necessita outro alimento.

Verdade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde, o aleitamento materno exclusivo deve ser feito até o sexto mês, quando a mãe pode introduzir água, sucos e chás. Até os dois anos, é recomendado que a mãe continue amamentando, mas que introduza alimentos saudáveis.

 

A amamentação previne o câncer de mama.

Verdade. “Pesquisas sugerem que a amamentação tem um pequeno efeito sobre o risco de câncer de mama e que a diminuição do risco é entre as mulheres que têm muitos filhos e amamentam por um longo tempo”,afirma Achilles Cruz.

 

 

 

Nossas fontes:

Cristiane Gomes, docente do curso de Fonoaudiologia da Unopar

Achilles Cruz, especialista em ginecologia e obstetrícia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

 

Please reload

Please reload

+ NOTÍCIAS

Criança que passa pouco tempo ao ar livre tem mais chance de desenvolver miopia

1/10
Please reload

Siga
  • Grey Facebook Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Pinterest Icon
RSS Feed

Fale conosco

Whats: 15 99129-4846 | 11 3368-7702

Email: redacao@namochila.com

A revista das escolas particulares de Sorocaba e região
A revista das escolas particulares de Sorocaba e região

Certificado

SELO SOCIAL 2014 / 2015