Volta às aulas: hora de ficar de olho na segurança digital das crianças


crianca.jpeg

Orientações para lidar com a tecnologia de forma mais segura e ética nas escolas e em casa

As aulas voltaram e com elas os temores de muitos pais e professores em relação ao uso de aparelhos móveis como smartphones e tablets por crianças, seja no ambiente escolar ou fora dele. Pesquisas da AVG Technologies, fabricante de softwares de segurança para computadores e dispositivos móveis, mostram que 95% dos pais gostariam que a educação digital fosse disciplina obrigatória nas escolas, mas 78% dos professores brasileiros não se sentem preparados para oferecer esse tipo de orientação.

O uso de dispositivos móveis, jogos on-line e outras tecnologias é muito comum para os pequenos e algumas escolas já estão até incluindo os tablets na lista de material escolar. Apesar disso, muitos pais não sabem como lidar com a educação dos filhos no que se refere a esse tema.

Qual seria então o caminho para educá-los para um uso seguro e consciente? "A Internet é o mundo e nossos filhos precisam saber quais comportamentos são seguros e quais não são ao usar a rede. Sempre pensamos nos nossos filhos como a vítima, mas ele pode vir a ser também aquele que pratica o ciberbullying, por exemplo, por isso o melhor ainda é educar e orientar", explica Mariano Sumrell, diretor de Marketing da AVG Brasil.

Pensando nisso, a AVG lista abaixo algumas orientações para pais e educadores nesse período de volta às aulas:

Pais, atenção aos perigos!

1. Pesquise sobre os aparelhos antes de presentear seu filho - É sempre melhor saber mais sobre uma tecnologia do que seu filho;

2. Configure um perfil restrito ou 'zona de criança', antes de entregá-lo - A maior parte dos aparelhos (celulares, tablets, vídeo games e smartphones) já vem com configurações de controle parental. A criação dessas restrições garante que você saberá exatamente o que seus filhos estão fazendo;

3. Demonstre interesse pela vida digital de seus filhos - Você não deixa seu filho fora de casa o dia todo sem saber onde, com quem, e o que estão fazendo, certo? Então porque não fazer o mesmo tipo de questionamento quando eles estão usando um smartphone ou tablet?;

4. Converse com o seu filho sobre segurança on-line - Conversar com os seus filhos é essencial. Aponte os prós e contras de possuir um dispositivo e da responsabilidade de possuir um 'brinquedo' tão avançado. Afinal, se você compartilhar abertamente seu conhecimento e percepções eles estarão mais propensos a fazer o mesmo.

Escolas e professores: saber orientar é o melhor caminho Uma vez no ambiente escolar, a responsabilidade de oferecer proteção e orientação às crianças é da escola. Desta forma, além de investir em novas tecnologias voltadas para o aprendizado, a área de educação deve focar em:

1. Educar os professores: As consequências de um mau comportamento on-line ou off-line devem ser punidas com o mesmo rigor nas escolas, mas para isso os professores precisam passar por cursos e treinamentos que orientem sobre segurança digital e por reciclagens constantes para que seus conhecimentos permaneçam no mesmo nível que o das crianças;

2. Liberdade de atuação: embora haja um mundo infantil on-line, ao qual adultos têm acesso limitado, é importante que os professores consigam reconhecer os sinais do bullying on-line no dia a dia da sala de aula, e tenham o apoio da diretoria para agir com independência quando acharem que algum aluno corre perigo, garantindo o bem-estar das crianças de forma igualitária;

"Mais do que fornecer ferramentas de controle, na AVG acreditamos que a segurança começa no diálogo de pais, filhos e educadores, e que todos devem entender seu papel na segurança e privacidade das crianças on-line", finaliza o diretor.

Fonte: Assessoria de imprensa da AVG Brasil.

#notícias #segurança #tecnologia #comportamento #educação

+ NOTÍCIAS