Quais infecções na gestação podem afetar o bebê?


Zika vírus, ainda em pesquisa, e sífilis preocupam

O mês de março começou como Tom Jobim já o cantava: com suas águas fechando o verão. É neste momento em que é preciso redobrar a atenção, pois o acúmulo de água parada das chuvas pode favorecer a proliferação do mosquito Aedes aegypti, causador de doenças como dengue, chikungunya e Zika vírus.

Esta última doença tem ganhado grande repercussão pelo fato de muitos casos de microcefalia estarem associados a ela. Pesquisas ainda estão sendo realizadas, nada está provado, mas assim como outras infecções podem ocasionar malformações no feto (inclusive microcefalia), não se pode descartar a possibilidade de que o Zika vírus também possa.

Assim como bactérias, protozoários, autoanticorpos, drogas, medicamentos e hormônios, os vírus de maneira geral podem cair na corrente sanguínea, e alguns deles passar da mãe para o feto através da placenta. “Nem toda infecção no feto causa malformação e a gravidade das interferências no desenvolvimento fetal é maior no início da gestação na maioria dos casos”, explica a ginecologista e obstetra Lilian Fiorelli, da Alira Medicina Clinica.

A preocupação maior no momento é com o Zika Vírus, mas outras infecções podem ser transmitidas de mãe para filho, na gestação. A obstetra listou abaixo as mais comuns e alerta: “um bom acompanhamento pré-natal é essencial e também pode ajudar a diminuir o risco de infecções na gestação e suas possíveis consequências para o feto, por isso não deve ser negligenciado”.

Toxoplasmose É uma doença causada por protozoário que está presente principalmente nas fezes dos gatos e esta é a principal forma de transmissão às gestantes (seja pela manipulação das fezes do animal ou indiretamente nos pelos do gato). Pode ser transmitida também por carnes cruas ou malcozidas e, mais raramente, pela ingestão de alimentos mal lavados.

A infecção no adulto, na maioria das vezes, é assintomática, outros podem ter dores musculares, febre, e até aumento dos gânglios do pescoço, que pode durar por muitos meses (neste evento, é chamada síndrome mono-like). Nos casos de imunidade baixa, pode haver acometimento do sistema nervoso, pulmão entre outros. O feto ou recém-nascido infectado pode ter sequela como surdez, cegueira, atraso no desenvolvimento psicomotor, anemia, convulsões, hidrocefalia, microcefalia e até aborto ou óbito fetal. Na gestante com essa infecção pode-se fazer tratamento o que diminui as consequências para o feto.

Rubéola A rubéola é uma infecção viral que tem como sintomas erupções cutâneas, aumento dos gânglios linfáticos, febre baixa, dores articulares e cansaço. O vírus costuma ser transmitido pelo ar, através da aspiração de gotículas de saliva ou secreção nasal. Uma mulher grávida com rubéola pode transmitir o vírus para o feto, podendo causar problemas cardíacos, cegueira, surdez, hidrocefalia, microcefalia, aumento do fígado e baço e até aborto ou óbito fetal. Apesar de poder gerar malformações graves no feto, a boa notícia é que cada vez menos encontramos gestantes com a doença devido as vacinas. Por isso é importante estar com suas vacinas em dia.

Sífilis É causada por uma bactéria muito comum chamada Treponema pallidum (entre 2005 e 2012 foram notificados 57.700 casos de sífilis em gestantes) e de transmissão predominantemente por via sexual. Pode se manifestar no início por feridas na região genital (chamada de cancro duro), e se não tratada pode ir para corrente sanguínea, afetando outras regiões gerando sintomas inespecíficos como febre e vermelhidão no corpo. A doença também pode passar por um período sem sintomas, chamada síflis latente, e, em casos mais graves, ocasionar problemas neurológicos como convulsões e demência. A infecção grave no feto pode ocorrer em 80% dos casos, e os sintomas podem variar desde a ocorrência do parto prematuro, restrição do crescimento, inchaço dos órgãos, anemia, alterações no pulmão, fígado, baço, pâncreas, ossos, surdez e até aborto ou mesmo a morte do bebê. O tratamento precoce com antibióticos na gestação é fundamental para diminuir a chance de alterações no feto.

Hepatite B, Hepatite C e HIV São vírus transmitidos por via sexual e contato direto ou indireto com o sangue infectado (como compartilhar agulhas, lâminas de barbear, ou mesmo equipamentos de manicure sem esterilização adequada). Os vírus da Hepatite B e C podem causar inflamação crônica do fígado e favorecer partos prematuros. A tr