Crianças podem ter cálculos renais?

 

É muito comum vermos crianças ingerindo uma dieta à base de frituras, guloseimas e alimentos ricos em sal.  O atual estilo de vida das nossas crianças tem motivado o aumento da frequência das chamadas doenças de adultos na infância. E por mais que os pais sempre se esforcem para fazer o melhor por seus pequenos, muitas vezes acabam sendo coniventes e até apoiadores deste estilo de vida nada saudável.

 

A correria do dia a dia e o excesso de oferta de produtos industrializados que, geralmente, são vendidos como adequados para as crianças, fazem com que seja oferecida uma dieta com maior teor de sódio, gorduras e açúcares. Ao mesmo tempo, essas mesmas crianças têm ao seu dispor opções muito atrativas de divertimento em programas de TV, games e computador, permanecendo horas e horas sem realizar atividade física e se esquecem até de beber água.  Essa receita é um prato cheio para várias doenças como a calculose renal, a obesidade, a hipertensão, entre outras. Estima-se que, atualmente, as crianças ingerem duas a três vezes mais sódio do que deveriam, e o excesso aumenta a eliminação de cálcio pelo rim, que é o principal vilão na formação das pedras renais.

 

Os cálculos renais são formações endurecidas e irregulares que se originam da precipitação de certas substâncias na urina como o cálcio, oxalato e o ácido úrico, de tamanho e formas variados, podem se localizar nos rins, bexiga ou ureteres. Obviamente, apenas o consumo de alimentos cheios de sódio não traz a certeza de que uma pedra no rim vai aparecer. As crianças mais propensas são aquelas com parentes portadores de pedra no rim, principalmente parentes próximos como pais, avós, tios e irmãos. Essas crianças têm três vezes mais propensão para desenvolver a litíase ou calculose renal.

 

Os rins precisam estar em constante funcionamento, com uma diurese satisfatória para que o risco dessas substâncias precipitarem e formarem uma pedra seja menor.  Assim, a criança deve ingerir aproximadamente 30 mL/kg de líquidos por dia, dando preferência para a água e os sucos cítricos como de limão e laranja. Essas frutas contém o ácido cítrico, que é uma arma natural contra os cálculos.

 

Alguns indícios podem sugerir a presença de cálculos renais:

 

Infecção urinária - tanto pode ser favorecida pela presença dos cálculos, como pode favorecê-los.
 

Dor abdominal ou nas costas - as crianças menores tendem a apresentar uma dor mais difusa, enquanto as crianças maiores e adolescentes costumam apresentar a típica cólica renal como do adulto, com dores nas costas que seguem o trajeto da urina, migrando para a parte anterior, na região da bexiga.
 

Sangue na urina - tecnicamente chamada de hematúria, pode ser observada na presença do cálculo ou não. Mas se a criança apresentar dor abdominal acompanhada de hematúria visível a olho nu ou ao microscópio, provavelmente o cálculo deve estar por lá.
 

O diagnóstico do cálculo renal se faz através dos exames de imagem e a atual facilidade de realizar ultrassonografia diante de uma criança com queixa de dor abdominal, com características que sugiram litíase renal, tem identificado com maior frequência a presença dos cálculos.

 

Sendo assim, ingerir bastante líquido, ter uma dieta balanceada sem excessos, principalmente de sódio (evitar embutidos, salgadinhos, refrigerantes, condimentos industrializados como ketchup, mostarda e temperos prontos), lembrando de que não são apenas alimentos salgados que contém sódio, e manter uma atividade física regular, são ferramentas importantes para a prevenção da calculose renal.

 

Infelizmente, algumas crianças terão que conviver com as pedras por longos períodos, as vezes por toda a vida, principalmente aquelas com histórico familiar. Dessa forma, conscientizar a criança a ter bons hábitos desde cedo, irá favorecer o convívio menos frequentes com os cálculos.

 

Se por acaso, eles aparecerem, o pediatra saberá tomar as medidas iniciais e encaminhar ao nefrologista para um tratamento preventivo.

 

 

Fonte: Assessoria de imprensa do Dr. Marco Aurélio Safadi.

 

Please reload

Please reload

+ NOTÍCIAS

Criança que passa pouco tempo ao ar livre tem mais chance de desenvolver miopia

1/10
Please reload

Siga
  • Grey Facebook Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Pinterest Icon
RSS Feed

Fale conosco

Whats: 15 99129-4846 | 11 3368-7702

Email: redacao@namochila.com

A revista das escolas particulares de Sorocaba e região
A revista das escolas particulares de Sorocaba e região

Certificado

SELO SOCIAL 2014 / 2015